No Eu Confesso para Adultos você desabafa em TOTAL ANONIMATO Atenção: Esta secção destina-se apenas a MAIORES DE 18 ANOS.

(A lista não inclui usuários em conversa privada) , são alguns usuários que estão no Bate-papo / CHAT. O que você está à espera? Junte-se a eles e divirta-se um pouco!! (att: para maiores de 18 anos apenas)

NOVA PLATAFORMA - Perguntas e Respostas. Surpreenda-se com as respostas no novo Eu Pergunto:

Jair Messias Bolsonaro já pode ser considerado o melhor presidente da história do universo?

Eu tenho orgulho de ter um presidente como o Messias Bolsonaro, um cara honesto, simples, perfeito, leal, lindo, patriota, cristão, defensor da família e dos bons costumes, competente, bondoso e etc…..

É perigoso usar Faceapp (aquele app pra envelhecer)?

Obrigada..

Nosso amigo Masculino

Confissão ID: 82995 - Por favor LEIA PRIMEIRO o texto antes de votar. Obrigado.

Eu confesso que o que vou dizer pode ser um pouco longo, mas tenho que falar com detalhes para os que lerem possam entender os meus sentimentos e os da Bete à respeito do assunto.
Quando era adolescente eu namorava a Vera e meu amigo Gilberto namorava a Bete. Saíamos juntos para todos os lugares. Um dia. numa brincadeira, eu fingi que não queria mais namorar a Vera e Gilberto fingiu o mesmo com a Bete. Então eu fui consolar a namorada dele e ele veio consolar a Vera. Foi excitante porque eu beijei a namorada dele e ele beijou a minha. A partir daquele momento saímos mais vezes e éramos os quatro namorando, sem preconceito. Ninguém comia ninguém porque elas eram virgens (a virgindade era muito preservada), mas a sacanagem rolava solta. A bete chupava o pau de Gilberto, eu chupava a buceta da Vera e a troca era constante. Um dia isso acabou. Arrumamos outras namoradas, cada um pro seu lado.
O tempo passou e me encontrei com a Bete quando Já éramos adultos e começamos a namorar sério. Nos casamos e temos um casal de filhos adolescentes. Eu tenho 42 anos e Bete tem 39. A vida seguia normal até que um dia encontrei com Gilberto na Padaria aqui perto da minha casa. Ele vende cigarros prá uma companhia famosa. O encontro foi muito legal. Relembramos muitas coisas, inclusive do nossos namoros com a Bete e com a Vera. Disse pra ele do meu casamento com a Bete e dos nossos filhos. Ele havia se casado mas não deu certo e está solteiro. Trocamos telefones e ficamos de nos encontrar. Em casa, contei prá Bete o encontro casual com o ex namorado dela e relembramos nossas aventuras. Ela comentou que naquele tempo éramos jovens e que isso é passado. Perguntei se podia convidá-lo à vir em nossa casa e ela respondeu que não tinha nada demais. Também não imaginava o que estava prá acontecer porque não passava na minha cabeça que as brincadeiras da juventude pudessem voltar.
Aceitando meu convite, Gilberto passou uma tarde de domingo conosco. Meus filhos estavam presente e foi uma satisfação muito grande retomar essa amizade. Ficamos de nos ver outras vezes para não perdermos mais o contato.
Durante as férias de dezembro/ 2012 as crianças elas foram prá casa da minha mãe, em Minas, e, sozinhos, era comum eu e a Bete queimarmos uma carne e bebericar umas cervejas na piscina. Num dia desse, o Gilberto ligou dizendo estar pertinho aqui de casa, então convidei-o a se juntar conosco. Ele chegou e foi ficando logo à vontade. Emprestei um short de banho e ele se jogou na piscina conosco. Papo vai, papo vem, o nome da Vera foi lembrado e o assunto daqueles tempos veio com boas gargalhadas quando de repente ele falou que a Bete continuava gostosa. Bete ficou sem ação com o elogio descarado. Confesso que também fiquei meio sem jeito, mas rimos, disfarçando.
Quando ele foi embora, ela me perguntou se eu fiquei puto com o que o Gilberto havia falado. Disse que sim porque ela não era mais a namorada dele e sim minha esposa. Ela me abraçou e brincou porque eu estava com ciúmes. Estava mesmo, mas a cena da cara dele olhando o corpo dela e dizendo que ela continuava gostosa não sai da minha mente. Estranhamente ficava com o pau duro lembrando daquela época, a cena da Bete chupando o pau dele. Bete comentou comigo que ela gostou do elogio mas que eu ficasse despreocupado porque ela era só minha.
Um dia sonhei que ela estava beijando ele no carro dele em frente à nossa casa. Contei isso prá ela. Falei que o pensamento estava me perturbando. Então ela teve a ideia de convidá-lo outra vez para desfazer o meu pensamento fixo de que ele estaria querendo transar com ela. Concordei e o convidamos. O ciúme era grande mas vinha acompanhado de tesão. Naquele dia fodi a Bete como nunca havia fodido antes. Mas percebi que ela também gozou muito diferente, prá melhor. Perguntei durante a foda: Está pensando nele? – ela balançou a cabeça que sim. Então soquei como nunca havia socado e ela mexeu como nunca havia mexido, me apertando e me arranhando as costas. Ela nunca havia feito isso.
Gilberto chegou e, como é o jeito dele, ficou à vontade. As latinhas de cerveja foram se esvaziando e eu e a Bete já estávamos descontraídos. Gilberto em momento algum havia insinuado interesse na Bete. Confesso que eu estava um pouco desapontado. Esperava que ele desse em cima dela, mas não acontecia isso. Quando a Bete foi na cozinha pegar mais cerveja e petiscos, ele falou baixinho prá mim: Coloca uma musiquinhas gostosas prá dançar! – Então eu disse prá ele escolher entre os cds as musicas que ele preferisse. Ele escolheu ouvir boleros orquestrados. Quando a Bete chegou com as cervejas, ele pegou ela pela cintura e começaram a dançar. Ela me olhou buscando consentimento e eu lhe fiz sinal que continuasse. Peguei uma revista e fingi que estava lendo enquanto eles dançavam colados. Ele alisava as costas dela e de vez em quando as mãos ficavam sobre a bunda dela, sutilmente. Não senti ciúmes e sim tesão. Quando nas viradas da dança e ela me olhou, mostrei que eu estava com o pau duro. Ela se animou e começou a corresponder acariciando o pescoço dele. Agora foi a vez dele me olhar e eu fiz sinal de “vai em frente”, com as mãos. Parando de dançar, ele encostou ela na parede, encostou seu corpo no dela roçando forte e tacou-lhe um beijo na boca puxando ela contra seu pau. Ela começou a roçar prá sentir o pau dele. Do meu canto, vi o pau dele esticado de dentro do short entrando no meio das pernas dela. Ela não me olhava mais. Nem ele. Esqueceram de mim. Botei meu pau prá fora e comecei a tocar a mais gostosa punheta da minha vida. Ele se abaixou e levantou o vestido dela puxando a calcinha de lado e começou a passar a língua. Bete gemia apertando a cabeça dele. Depois de um tempo foi a vez dela ficar de joelhos mamando na rola dele. Foram pro sofá do meu lado e começaram a meter. Nossa, que loucura. Ela gemia olhando prá mim enquanto ele chamava ela de puta. Ela gozou muito. Enquanto ele socava, ela segurava a minha mão, apertando. Com a outra mão eu me masturbava. Quando senti que ia gozar, coloquei meu pau na boca de bete e ela chupou e bebeu toda a minha porra. Gilberto também fez o mesmo. Ela chupou o pau dele até que ele enchesse a boquinha dela enquanto eu dizia prá ela engolir.
Depois desse dia, sempre quando podemos, vamos ao apartamento que alugamos para os nossos encontros. As vezes ela se encontra sozinha com ele e volta prá casa, para os meus braços, para foder comigo. Somos felizes assim.

Texto desabafado por Marcelo , em Domingo, 01 de Setembro de 2013
ÁUDIO: OUVIR O TEXTO - clique em OUVIR O TEXTO e aguarde um pouco - Pausar - Retomar - Parar
Quanto maior o texto, mais tempo demora a começar a leitura. Por favor aguarde.
  • Você já leu todo o texto? Por favor vote este desabafo, clicando nas estrelas. Marcelo agradece.
Atualmente é quase humanamente impossível ler todas as novas confissões que são publicadas diariamente. Se você considera que esta confissão é ilegal, não está de acordo com as regras (*) do Eu Confesso [* regras listadas na página de publicação de confissões] ou ultrapassa todos os limites do razoável, por favor relate, utilizando o link REPORTAR ABUSO. Obrigado pela sua colaboração.
[ Tags ] leia mais sobre: Casa & Família    

Comentários ao Desabafo de Marcelo

Por favor seja construtivo nos seus comentários.

0
0
0
0


r